Logo FRIGGA

Renováveis podem reduzir a poluição em 80% até 2050


Um novo estudo publicado no periódico científico Nature Communications sugere que a adoção de fontes renováveis de geração de energia podem reduzir em até 80% as emissões de carbono em 2050. Para essa conclusão, o estudo analisou os benefícios da descarbonização do setor de energia, um dos setores que mais emitem poluentes na atmosfera atualmente.


“Ao mudarmos para fontes renováveis de produção de eletricidade, poderemos eliminar os efeitos negativos para a saúde da população em até 80%”, afirmou em nota, Gunnar Luderer, autor do estudo do Instituto Potsdam para Pesquisa do Impacto Climático.

“Com as renováveis, ocorre a redução de poluição do ar com queima de combustíveis. Além disso, as cadeias de fornecimento para energias solares e eólicas são muito mais limpas do que a extração de combustíveis fósseis ou do que a produção de bioenergia”, escreveu Luderer.


O estudo ainda indica que ainda há muitos desafios para o desenvolvimento das renováveis pelo mundo. A produção de energia limpa precisaria de mais terrenos do que o exigido por combustíveis fósseis atualmente – e esse espaço é limitado e se torna cada vez mais escasso. Além disso, toda essa energia gerada de forma mais limpa precisa, também, ser bem armazenada em super-baterias.


Fora isso, o estudo também aponta que as renováveis podem desestimular guerras pelo petróleo no mundo, além de inúmeros outros benefícios indiretos para a humanidade.

Até 2050, as fontes de energias renováveis como a solar, a eólica, a geotérmica e a marítima poderão abastecer em 80% a demanda mundial, segundo informações da Organização das Nações Unidas (ONU). O setor de energia limpa tem alto potencial de expansão com a gradual substituição dos mecanismos de emissão de energias poluentes, como carvão, petróleo e gás.


O Brasil, com alto potencial para o desenvolvimento dessas fontes renováveis, já está no caminho da transição. Nos últimos três anos, os sistemas de geração de energia solar se multiplicaram de 8,7 mil para 111 mil, impulsionados pelas facilidades na aquisição de painéis solares, em 2012, por consumidores que tiveram mais liberdade para alterar sua fonte de eletricidade.


Além disso, nesse mesmo período, o valor dos painéis solares caiu aproximadamente 40%, ao mesmo tempo em que as tarifas de eletricidade não renovável aumentaram em cerca de 90%.


Fonte: Portal Solar

19 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
Logo FRIGGA

por FRIGGA